CITE - Comissão para a Igualdade no Trabalho e no Emprego

Direitos e deveres dos trabalhadores e das trabalhadoras

Direitos e deveres das entidades empregadoras

Obrigações das entidades empregadoras

Proteção na parentalidade

Calculadora amamentação/aleitação dispensa diária
Calculadora
Amamentação/aleitação
Dispensa diária em caso de
tempo parcial

Diálogo social

Formação

Boas práticas de igualdade no trabalho e no emprego

Disparidades salariais

Relatórios sobre o progresso da igualdade

Anúncios de oferta de emprego x Igualdade de género

Estatísticas

Legislação

Jurisprudência

Documentos estratégicos

Pareceres CITE

Pareceres prévios
Elementos obrigatórios
Horário flexível »
Tempo parcial »

Publicações CITE

Projetos CITE

Internacional

Protocolos

Conferências e eventos

CITE e os média

Centro de documentação on-line

Agendas CITE

Ligações

Vídeos

DIA 8 DE MARÇO – DIA INTERNACIONAL DAS MULHERES

Como surgiu o Dia do Pai
A celebração do Dia do Pai tem origem em duas histórias.
Uma, conta que na antiga Babilónia, por volta do ano 2000 a.c., um menino chamado Elmesu, terá escrito uma mensagem a seu pai, numa placa de argila, desejando saúde, felicidades e muitos anos de vida… Outra, que teve origem nos Estados Unidos da América no ano de 1909, relata que Sonora Luise, filha de William Jackson Smart, militar, resolveu assinalar como Dia do Pai o dia de aniversário do seu pai, motivada pela admiração que por ele nutria, porquanto William Jackson Smart criou seis filhos sozinho após a morte da mãe das crianças no último parto. Esta história de afeto e cuidado foi sendo conhecida até que, em 1972, o presidente americano Richard Nixon oficializou esse dia como o Dia do Pai.

De ambas as histórias a mensagem a retirar é a do reconhecimento da versatilidade do papel do pai no seio da família enquanto homem cuidador.

Por todo o mundo o Dia do Pai é assinalado em data própria, associada à cultura e à história de cada país. Em Portugal o dia comemora-se a 19 de março, que coincide com o dia de São José, Santo da Igreja Católica.

Nos dias de hoje
Os jovens pais, com diferentes representações e atitudes perante a paternidade, identificam-se como novos modelos ou formas de masculinidade, percecionando desejos de intervenções mais ativas na educação e no envolvimento emocional com as crianças.

Atualmente, o papel que os jovens pais pretendem alcançar é o de uma situação de igualdade face às jovens mães no que respeita à assistência e ao acompanhamento dos filhos e das filhas perante a família, apostando mais no seu papel de cuidador e menos no papel tradicional de "figura do homem provedor", assumindo esta vontade uma expressão central na conciliação entre a vida familiar e profissional.

Em Portugal os sinais de mudança entre os homens manifestam-se em práticas diárias, e numa atitude favorável em relação ao seu papel na sociedade e na família enquanto pais e cuidadores.

A legislação e as licenças estabelecidas nos anos 90 são explícitas e sublinham claramente a vontade de o Estado promover uma nova paternidade, mais partilhada do ponto de vista dos cuidados na altura do parto, abrindo a porta para uma partilha da licença. Uma medida de política pública com impacto familiar pois interpela os homens pais a desenvolver o seu papel paterno, reforçando a importância da sua presença junto da criança desde o nascimento.

Nos últimos anos, a evolução do uso das licenças parentais evidencia uma utilização crescente das licenças a que o pai tem direito e a uma evolução positiva da partilha entre ambos os membros do casal.

Segundo os dados estatísticos do Policy Brief II, elaborado no âmbito do projeto: “O Papel dos Homens na Igualdade de Género”*, refere que a contínua adesão dos pais trabalhadores a utilizarem a licença parental exclusiva do pai, passou de 11% em 2000 para 71,4% em 2015 e quanto à licença parental (dias facultativos) constatou-se que passou de 0,1% em 2000 para 63% em 2015.

Apesar dos avanços registados neste domínio, ainda há um caminho a percorrer.

Consulte o site da CITE e conheça os direitos parentais »

* - desenvolvido em parceria pelo ICS-Lisboa e pela entidade promotora CITE e financiado pelo Programa EEA Grants

 

partilhar: FacebookTwitter